Ir para o conteúdo

Menu principal:

Vieira do Minho




Vieira do Minho (conhecida frequentemente apenas como Vieira) é uma vila portuguesa localizada no Distrito de Braga, Região do Norte e sub-região do Ave, com cerca de 2 200 habitantes.

É sede de um município com 218,05 km² de área e 12 997 habitantes, subdividido em 16 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Terras de Bouro, a norte e leste por Montalegre, a sueste por Cabeceiras de Basto, a sul por Fafe, a sudoeste por Póvoa de Lanhoso e a noroeste por Amares.

O ponto mais elevado do concelho situa-se na Serra da Cabreira mais precisamente no Alto do Talefe, com a altitude de 1262 metros.




História

 
De origem antiga, como o atestam inúmeros elementos arqueológicos, as freguesias que actualmente integram Vieira pertenceram antigamente a vários concelhos, termos, coutos e vilas, hoje extintos:
 
  • Caniçada, Cova, Salamonde, Soengas e Ventosa, pertenceram ao concelho de Ribeira de Soás, deu-lhe foral D. Manuel  em 1515;
  • Parada de Bouro foi pertença do Couto de Parada de Bouro, criado por D. Sancho I, que o deu à famosa Ribeirinha; Cantelães, Eira Vedra, Mosteiro, Pinheiro, Tabuaças, Vieira e Vilarchão, compunham o concelho de Vieira;
  • Campos e Ruivães eram terras do concelho de Ruivães;
  • Anjos e Rossas pertenceram ao Concelho de Rossas, a quem D. Manuel concedeu foral em 1514;
  • Guilhofrei que pertenceu ao concelho de Vila Boa da Roda, com foral de 1514, autorgado por D. Manuel e por último Soutelo e Louredo pertenciam ao Concelho de Lanhoso, que tem foral dado por D. Dinis em 1292.
 
 
A antiguidade da ocupação humana das terras que hoje integram o concelho de Vieira do Minho pode ser atestada pelos inúmeros testemunhos arqueológicos que podem ser vistos no concelho, com particular destaque para a área da Serra da Cabreira, território ocupado desde a pré-história e as localidades de Salamonde e Ruivães, onde a presença militar de diferentes povos, com destaque para os romanos, atestam o valor estratégico desta área no controle das principais vias de penetração na província. As mamoas, menires, gravuras rupestres , fojos medievais, necrópoles neolíticas, povoações romanas, castros, além de vários utensílios de barro, ferro e outros metais, são exemplos do filão arqueológico da região, bastante subexplorado aliás.
 
Da época romana, ainda existem vestígios de alguns troços da via XVII do itinerário Antonino que ligava Braga, Chaves a Astorga, e vestígios  de antigos povoados dessa época, é exemplo disso o povoado de S. Cristovão - Ruivães
 
Pela extrema importância na estratégia militar, a região sofreu os efeitos da penetração dos diversos povos que invadiram a península, desde os Suevos aos Romanos, e bem mais recentemente dos exércitos Napoleónicos. De facto, na Primavera de 1809, o concelho foi duas vezes atravessado pelas tropas do marechal Soult: a primeira em 15 de março, em impetuoso avanço a caminho de Braga. A segunda, a 17 de Maio, em retirada precipitada pela ponte da Misarela, no dia exacto em que as forças anglo-lusas de Wellesley chegavam ao alto de Salamonde, com o objectivo, frustrado, de lhes atalhar o passo.
 
Este seu pendor para o envolvimento na guerra determinou igualmente que Vieira se envolvesse nas guerras liberais, presenciando Ruivães duros combates entre liberais e absolutistas, e pouco depois, em Abril de 1846, Vieira entusiasma-se com o movimento popular da “ Maria da Fonte” onde teve a sua origem e onde habitava o seu mentor: padre Casimiro José Vieira.
 
 
Estas breves notas são bem o testemunho da história de Vieira do Minho, feita mais da sua valia estratégica, que da memória dos homens consubstanciada em monumentos e urbes.
 
A constituição da sede de Concelho foi definida pelo Decreto-Lei Nº22593 de 29-05-1933, no lugar de Brancelhe. Foram então desanexados 11 lugares da freguesia do Mosteiro e 1 de Cantelães, constituindo-se assim a freguesia de Vieira do Minho.

Património Arqueológico



FOJOS DA CABREIRA - Armadilhas de caça
O conjunto monumental designado por Fojos da Cabreira situa-se na linha de cumeada formada por Cortegacinhas, Alto do Seixo, Pau da Bela e Trovão, implantando-se no início da vertente Sul dessa cumeada. A sua área de implantação abrange as freguesias de Anjos, Ruivães, Rossas, Campos e Vilarchão.

O conjunto é constituído por três construções independentes entre si, possuindo, no entanto, características morfológicas semelhantes. Cada uma é formada por dois paredões que convergem para um poço, configurando uma planta em V. A baliza cronológica proposta para os fojos engloba o espaço temporal compreendido entre os finais do século XVII – Fojo do Ribeiro do Fojo e Fojo da Ribeira das Figueiras Bravas -  e a segunda década do século XX – Fojo Novo.

Foi localizado e identificado recentemente um quarto fojo - o Fojo da Alagôa - na zona da Serradela. Este fojo vinha referido na bibliografia como estando destruído.

Os Fojos da Cabreira são armadilhas de caça defensiva, no caso para a captura do lobo. A batida aos lobos era feita a partir da base da vertente Noroeste do Maciço da Cabreira, em direcção aos fojos. A descida da vertente implicava a entrada no fojo, em direcção ao poço onde, uma vez aprisionados, eram abatidos.


CABANAS DA SERRADELA - Abrigos de pastor

Poucos metros a Noroeste das Casas Florestais da Serradela situam-se duas construções, de planta circular e de aparelho construtivo rudimentar. Junto à estrada encontra-se outra cabana, apresentando características construtivas análogas. Tratam-se de abrigos de pastor, de tipologia semelhante aqueles presentes nas serras, um pouco por todo o Noroeste português.

Foram utilizadas pelas populações rurais que enviavam o gado para as serras, muitas vezes em sistema de vezeira. As cabanas protegiam o pastor dos elementos climatéricos que as utilizavam, igualmente, para pernoitar na serra quando assim era necessário.

A cronologia proposta para estes abrigos insere-se na Época Moderna.

PONTE DE CAMPOS - Via de comunicação

Esta ponte faz a passagem sobre o rio Lage, na freguesia de Campos.

Tradicionalmente, a ponte de Campos é referida como tratando-se de uma ponte romana. Na realidade, com base nas características construtivas, sua construção deverá reportar-se à época Tardo - Medieval ou mesmo Moderna.

PEDRA ESCRITA - Arte rupestre/ Marco territorial

A Pedra Escrita situa-se numa zona escarpada, com ampla visibilidade sobre o vale do Turio, onde afloram blocos graníticos. No plano vertical de uma das massas graníticas observam-se gravações, de profundidade variável. Os motivos identificados são motivos cruciformes (em cruz), motivos circulares, observando-se, ainda, alguns números e letras de difícil leitura. Coloca-se a hipótese que as sucessivas gravações na rocha testemunhem uma acção continuada de demarcação de limites territoriais.

Com base na data que se encontra gravada – 1790 -, assim como na tipologia dos motivos cruciformes, a cronologia do monumento deverá reportar-se à época Moderna.


Envie-nos uma mensagem

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal